Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Navegação

Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Sessão Especial presta homenagem a escolas municipais e a Secretaria Municipal de Educação pela premiação nacional

Sessão Especial presta homenagem a escolas municipais e a Secretaria Municipal de Educação pela premiação nacional

        Com o plenário da Casa totalmente lotado de professores, pais, alunos, convidados e comunidade, a Câmara Municipal de Vereadores realizou, na noite da última segunda, a Sessão Especial que prestou homenagem a Secretaria Municipal de Educação e as escolas municipais Luiz Badalotti, Paiol Grande e Dom João Hoffmann pela Premiação Nacional obtida no prêmio “Desenvolvimento Educacional Inclusivo: a Escola no Enfrentamento das Desigualdades Sociais”, e a outorga de Menção Honrosa às demais escolas municipais. Proposição foi dos vereadores Alderi Oldra e Anacleto Zanella, oradores da noite.

         Além da Menção Honrosa às três escolas premiadas e à Secretaria Municipal de Educação, também foram homenageadas as seguintes escolas: Centro Municipal de Educação de Jovens e Adultos (CEJA/Erechim), Caras Pintadas, Cristo Rei, Dom Pedro II, Jaguaretê, Othelo Rosa, Bôrtolo Balvedi, Doutora Vera Beatriz Sass, Estevam Carraro, Irmâ Consolata, Lucas Vezzaro, Ruther Alberto Von Muhlen, São Cristóvão e Escola Municipal de Belas Artes Osvaldo Engel.

         Em sua manifestação, vereador Alderi Oldra destacou que a educação inclusiva é, antes de qualquer outra denominação, uma questão de direitos humanos, aprender a respeitar os direitos dos outros, a conhecer, a conviver e interagir, a aprender com o outro, a ensinar, a compartilhar os conhecimentos, tudo isso no dia a dia. “Será que já somos capazes de realizar cada ação dessas dentro de uma esfera educacional”, questionou.

         “Respeitar as diferenças. Só assim se consegue afastar o fantasma do preconceito e formar jovens mais tolerantes. Erechim, através da Secretaria de Educação e suas escolas, têm provado que isso é possível. Tem sido um trabalho fácil? Não. Tudo funciona perfeitamente, sem problemas e dificuldades? Não. É algo possível? Sim. Os resultados são positivos? E como são!”.

         Oldra pontuou ainda que, ter um reconhecimento nacional através do Ministério da Educação e da Organização dos Estados Ibero Americanos, como a Secretaria de Educação que tem a melhor experiência de Educação Inclusiva do Brasil, em gestão, a Escola Luiz Badalotti, como a terceira melhor experiência e a Dom João Hoffmann e a Paiol Grande reconhecidas como a quarta e a quinta melhor experiência do Brasil, “é extremamente gratificante para todos e todas que dedicam recursos, trabalho, estudo e muito carinho para as pessoas que mais precisam de nosso serviço: pessoas com deficiência e com vulnerabilidade social”.

         “Este reconhecimento engrandece o trabalho de cada um dos envolvidos e nos deixa felizes, mas o mais gratificante é o resultado positivo que todo esse trabalho provoca na vida das crianças e dos jovens estudantes. Ver incluídos nas escolas com carinho e o profissionalismo com que são tratados, nos engrandece e nos faz acreditar que é possível sim incluir. É possível respeitar as diferenças. É possível sim, fazermos a diferença na vida de nossos estudantes”.

         Por sua vez, Anacleto Zanella destacou que o prêmio recebido pela Pasta de Educação e escolas municipais objetiva a identificação de experiências de gestão voltadas ao desenvolvimento educacional inclusivo de crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social, concedido pelo Ministério da Educação e pela Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura.

         Parlamentar destaca que, até 2010, em Erechim, os estudantes com deficiência conviviam entre si, através das Classes Especiais, nas escolas públicas municipais, o que garantia a integração escolar. A partir de 2010 os estudantes com deficiência passam a ser incluídos, nas salas de Ensino Comum, com a tomada de várias providências, como a formação aos professores para atendimento educacional especializado aos estudantes cegos, surdos, com deficiência física e intelectual, a adequação dos prédios escolares, transporte escolar adaptado, a ampliação do número de professores de apoio ao Processo de Ensino Aprendizagem nas escolas públicas municipais e a nomeação de professores bidocentes nas turmas, nas quais há essa necessidade.

         Um trabalho é complementado por várias instituições e entidades que fazem o atendimento, a educação, a convivência e profissionalização, como a APAE, APADA, ADAU, Aquarela Pró-Autista, Centro Profissional Albano Frei e ADEVE.

         Citando a professora Maria Salete Torres, coordenadora de Educação Inclusiva no município de Erechim, Anacleto finaliza pontuando que: “o trabalho de inclusão tem um significado muito grande para os nossos estudantes que têm algum tipo de deficiência, pois significa respeito as suas especificidades e limitações, na medida em que identifica e valoriza as suas habilidades e competências”.

        Usando da palavra, a secretária de Educação, Juliane Bonez destacou a emoção ao olhar para todos os presentes na sessão de homenagens. “Quando tratamos de educação, especialmente a inclusiva, nos toca o coração. Um processo de educação nunca acontece sozinho e esta somente exerce seu papel momento em que muda o indivíduo”. 

        Em nome das escolas premiadas, Jordana Farina Putti lembrou que existem muitas barreiras que devem ser tiradas e que a parte mais encantadora é ver como as crianças das escolas recebem as crianças especiais. “Um momento para agradecer a cada um pelo trabalho desenvolvido junto às escolas, independente da função que exerce”. 

registrado em: ,