Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Navegação

Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Denominada artéria de Rua Thereza Pomorski

Denominada artéria de Rua Thereza Pomorski

         Natural de Santo Antônio da Patrulha, Thereza era filha de imigrantes poloneses, com data de nascimento no dia 15 de outubro de 1895. Ainda quando criança mudou-se com a família para a localidade de Rio dos índios, então município de Getúlio Vargas. “Na época não havia escolas, Thereza e seus irmãos foram alfabetizados pelos pais”.

         Casa-se com José Pomorski, também filho de imigrantes poloneses e passou a residir no município de Barão de Cotegipe. O casal teve oito filhos, João, Vitória, Josefina, Estanislava, Estevão e Pedro (in memoriam) e Paulo com 91 anos e Sophia com 89 anos ainda vivos.  

         Com o falecimento do marido em 1930, assumiu o sustento da família. Muda-se com os filhos para Erechim, estabelecendo-se no local chamado Jabuticabal, onde exerceu a atividade agrícola.

         Destacou-se na comunidade ajudando crianças e adultos doentes. “Os remédios eram plantas que, por tradição, eram usadas em chás e também em banhos para a cura de doenças”.

         Religiosa, pertencia ao Apostolado da Oração do Sagrado Coração de Jesus. Trabalhava na difusão desta vocação entre as famílias e muito colaborou trabalhando pela igreja, seminário e colégio das irmãs no Três Vendas “ações que merecem destaque como membro inscrito no Vaticano como Irmã Remida da Irmandade da Terra Santa”.

          Thereza também foi parceira e ensinava catecismo em polonês, língua falada pela maioria dos moradores, para crianças filhas de descendentes poloneses que residiam na região do Jaboticabal e Três Vendas.

         Também tinha como atividade frequente o ensino de bordado e pintura em tecidos, auxiliando e orientando as noivas na confecção de enxovais. Em 57 foi morar com afilha em Cachoeira do Sul, falecendo em 1963. “Thereza sempre amou Erechim e um de seus últimos pedidos foi de ser sepultada nesta cidade, onde viveu parte de sua vida. Não foi possível quando de seu falecimento, mas em maio de 72 seu pedido foi atendido. Hoje seus restos mortais estão sepultados no Pio XII”.