Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Navegação

Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Basso justifica voto contrário a doação de área para a Receita Federal

Basso justifica voto contrário a doação de área para a Receita Federal

 Vereador Leandro Basso, em justificativa ao seu voto contrário ao Projeto de Lei Legislativo, aprovado na última segunda, que doa área para a Receita Federal para a construção de sua sede própria, garante que Erechim, como primo pobre, não poderia ter aberto mão de um patrimônio para um “primo rico”, conforme denominou a União.

         Parlamentar lembra que a Receita Federal é uma autarquia subordinada ao Ministério da Fazenda. “Depois do Pedido de Vistas solicitado por Claudemir de Araújo, a Comissão de Justiça e Redação esteve em contato com os técnicos da receita para debater o tema, momento em que colocamos a necessidade de que a doação da área fosse condicionada a uma permuta entre a Receita Federal e o município de Erechim”. Área doada tem cerca de 500 metros quadrados e está avaliada em quase R$ 350 mil.

         “O que questionei no meu voto, é o fato de que o nosso município paga a locação de vários imóveis para abrigar oito secretarias, a biblioteca municipal, a Vigilância Sanitária e outros departamentos. Portanto, ficou difícil votar favorável, por mais que a Receita Federal tenha seu papel no processo de arrecadar”.

         Na Tribuna, elencou as empresas que sonegaram a Receita Federal em nível nacional, como estadual através de dados levantados pela Operação Zelotes. “A Receita Federal, em nível de União, deixou de arrecadar mais de R$ 5 bilhões. O município de Erechim fez um esforço sobre-humano para doar um terreno. O ente federal leva 70% de tudo e, para poder instalar a sua estrutura de arrecadação, acaba recorrendo ao município”.

         “Sigo meu voto de acordo com a população com quem dialogo. Não poderíamos ter aberto mão de um terreno e continuar pagando aluguel em favor de um primo rico. O município é o primo pobre abrindo mão de um terreno em favor da União, que é o primo rico. Dentro do atual momento em que vivemos, pagando diversos aluguéis, não tive como votar a favor do projeto, pois gostaria de ver a construção do prédio da Biblioteca Pública e Arquivo Histórico, a Casa do Estudante, ou outras necessidades”, finaliza.